sábado, abril 13, 2013

Asas assassinas ou "Alguém who still knows what I did last summer"



Este osso é de asa de galinha. Tem 4 cm bem aviados, medidos no hospital e tem uma ponta afiada como uma agulha, como se pode ver na foto, apesar de não estar muito boa

[4886]

Após tantos dias de paragem deste blogue, não faleceu a escrita mas ia falecendo o escriba. Eu explico rapidinho.

Os americanos, com o seu esmerilhado gosto pela comida, consideram uma delicacy tudo o que vá para além daquele insípido peru no forno, smashed potato, pumpkin e uma massaroca cozida com que se deliciam no «thanks giving». Daí que as asas de franco se tenham tornado ícones da boa cozinha norte-americana. Fritam-nas ou grelham-nas, besuntam-nas de tabasco e barbecue sauce e…salivam.

Eu confesso a minha indiferença pelas asas de frango, mas se como um caril de galinha, não há como evitá-las. E assim, e porque as asas de frango têm um osso traiçoeiro, engoli um deles, sem saber como. O osso estava partido numa das extremidades. Seguiu calmamente a sua viagem pelo esófago, alojou-se calmamente no antro gástrico e, não contente com isso e quiçá incomodado pela movimentação constante do estômago, foi-se enterrando na parede do órgão. Repito: EN-TE-RRAN-DO na parede do estômago. Claro que dois dias depois tive dores que devem ter atirado as famosas dores de parto para milhas da linha de resistência ao sofrimento e lá vou, cinco da manhã, conduzido por uma das filhas direitinho ao hospital de Cascais. Durante quase todo o dia, já de soro e analgésico em perfusão permanente, ninguém fazia a mínima ideia do que me pudesse estar a causar semelhante sofrimento. Raios X, análises, ecografias, nada dava qualquer indicação do que pudesse ser. Até que numa das repetidas análises ao sangue apareceu uma bendita proteína que é suposta estar quietinha, mas que começou a dar sinais de que havia um processo inflamatório algures. Mandaram-me então fazer uma TAC. A TAC mostrava claramente um corpo estranho…mas como as TAC’s não têm legendas todos ficámos sem saber que corpo era aquele. De Cascais, metem-me numa ambulância para o S. Francisco Xavier, urgências de gastro. E aí me anestesiam total e profundamente. Acordo com uma médica simpática e triunfante, mostrando-me o troféu que exibo na foto. Um osso de galinha, traiçoeiramente partido numa das extremidades, acerado e assassino que, aparentemente, não me daria mais 10 a 12 horas de vida se tivesse acabado por me «perfurar» convenientemente.

Osso extraído, voltei para o hospital de Cascais onde permaneço internado por razões de segurança. Quatro dias depois de não ingerir NADA (nem água), o cirurgião de serviço às urgências deu-me um pequenino copo de chá e disse-me para o beber, para ver se o estômago «espichava». Não espichou… e mandaram-me para casa.

Notas finais: Nunca se riam nem pensem que a recomendação de não se dar ossos de galinha aos cães é uma mania dos veterinários. Eu não sou cão mas sou prova viva desse cuidado; fui bem tratado, paguei €53 pelo internamento, tratamento, exames, duas viagens de ambulância e intervenção cirúrgica no HSFX. Parece que há uns meses não pagaria nada e agora paguei €53. Pois… paguei e acho muito bem que tenha pago, em face dos cuidados que recebi, não percebo muito bem esta vozearia idiota que vai por aí. Uma última menção de apreço e simpatia à Daniela Sá Leão, médica cirurgiã do HPP de Cascais que me acompanhou e tratou, pelo diagnóstico assertivo que me fez e pelo elevado profissionalismo demonstrado, apesar de ter levado algumas horas e, ao princípio, nos termos embirrado mutuamente.
.

Etiquetas: ,

6 Comments:

At 8:37 da tarde, Blogger Sinapse disse...

Ainda bem que já passou! Agora, caldinhos (mas sem galinha) e boa recuperação!
Beijinhos,
Sinapse

 
At 9:31 da tarde, Blogger Nelson Reprezas disse...

Sinapse

A médica que me tratou (não a que operou...) é tua patrícia. Odeia Lisboa e os lisboetas... :))) mas no fim, osso extraído, ficámos amigos :)

 
At 9:44 da tarde, Anonymous Anónimo disse...

jasuuuuusesss :()

 
At 9:52 da tarde, Blogger papoila disse...

Que aventura!!! Ainda bem que já estás em casa de saúde.Já tinha cuidado mas triplicar os cuidados cá em casa.
Rapidas melhoras.
Já estive internada em vários Hospitais Civis e fui muito bem tratada, defendo-os com unhas e dentes :)))
Só se queixam da fartura...
xx

 
At 4:10 da tarde, Blogger Kafka disse...

Já estranhava não haver postais mas agora está explicado.
Já agora acrescento;
Nos meus 73 anos com uma boa saúde tive a pouca sorte de nos últimos 6 meses também ter tido contratempos pouco invejáveis e tive de recorrer com alguma urgência a Hospitais (S.João e Sto António, no caso) tive de ser operado 2 vezes em cirurgia Urológica e Torácica, e terei pago entre todas as depesas, 80€. Parece-me que toda a barulheira que se ouve por aí mais parece uma parvalheira.

 
At 4:12 da tarde, Blogger Kafka disse...

Já estranhava não haver postais mas agora está explicado.
Já agora acrescento;
Nos meus 73 anos com uma boa saúde tive a pouca sorte de nos últimos 6 meses também ter tido contratempos pouco invejáveis e tive de recorrer com alguma urgência a Hospitais (S.João e Sto António, no caso) tive de ser operado 2 vezes em cirurgia Urológica e Torácica, e terei pago entre todas as depesas, 80€. Parece-me que toda a barulheira que se ouve por aí mais parece uma parvalheira.

 

Enviar um comentário

<< Home