quinta-feira, dezembro 09, 2004

Falam tão pouco dela...



Ontem fez anos que nasceu e morreu...

6 Comments:

At 1:54 da tarde, Anonymous Anónimo disse...

Ser poeta é ser mais alto...
Eu também concordo em que se fala pouco duma mulher triste, mas com sonetos belíssimos!
Leonor

 
At 10:43 da tarde, Anonymous Anónimo disse...

...e como é bom ouvir o Luis Reprezas a cantá-la, mesmo que não seja, ao ar livre, no forte de Peniche?!
- Gota

 
At 11:52 da tarde, Blogger Madalena disse...

A mulher Florbela Espanca está diluída nos versos que são cantados por muitos dos nossos melhores intérpretes, como o Luís Represas (Z ou S? Não sei!).
Ela própria se intitula num poema "A mais triste de todas as mulheres".
As relações familiares desde o berço foram sempre contaminadas por desgostos. A própria mãe, a mãe natural, morreu de desgosto, diz-se.
Florbela Espanca não terá conseguido sobreviver aos martírios que a vida lhe inflingiu: separação da mãe, morte do irmão, instabilidade amorosa logo emocional, e ainda um filho que não nasceu...
Obrigada pela visita e pela descrição do lugar que foi meu num passado muito distante.

 
At 8:08 da tarde, Blogger espumante disse...

Leonor
Obrigado pelo comentário. Os sonetos de FE são na verdade lindíssimos...há quem a ache algo monocórdica, mas monocórdico era Camões e nem por isso deixou de ser o maior poeta português de sempre!

 
At 8:10 da tarde, Blogger espumante disse...

Gota
Por onde tem andado? Por Peniche? :))))

 
At 8:11 da tarde, Blogger espumante disse...

Madalena
Obrigado pelo comentário e pela quase lecture sobre FE :))
Comente sempre.

 

Enviar um comentário

<< Home