terça-feira, março 09, 2010

Afonia


Corda vocal (ou prega vocal). Seja ceguinho se eu sabia que tínhamos "disto" na garganta. Ver aqui

[3685]

Esta manhã acordei e tudo parecia normal. Como normalmente só faço uso da fala depois das ablações matinais, café fresquinho, torradas e queijo, barba a preceito e duche que faria o senhor Ferreira da Querqus dar-lhe um enfarte a ele e ordem de prisão a mim, não dei por nada. Assim, só depois de pegar no telefone para fazer uma chamada (se tivesse aqui uma das filhas diria, com aquele arzinho irónico que eu sei de onde elas herdaram, mas não digo: - Pegaste no telefone para… fazer uma chamada? Ah! Claro, podias pegar no telefone para fazer a barba ou para mexer o café…) é que reparei. É que quando falei (!!!), a única coisa que consegui ouvir foi um ruído mais ou menos semelhante àquilo que julgo ser o som ambiente de uma fábrica de pregos ou, ainda, uma nora de ferrugentas alcatruzes a tirar água do poço ou, no extremo, uma “javalia” com cio no Kruger Park. Primeiro assustei-me, pigarreei (tentei…) e a única coisa que o pigarro acrescentou foi assim uma espécie de silvos de comboio a vapor ou de um velhinho com enfisema em estado terminal.

Resignei-me ao veredicto final – estava rouco, melhor dizendo, afónico, totalmente afónico como totalmente quadrúpede era o leão de Rio Maior! Como já estava vestido, barbeado, banhado, “cafezado” e prontinho para a labuta, fiquei meio aparvalhado sem saber o que fazer. Se me meteria no carro para ir trabalhar ou se puxava por um plano B qualquer que me ocorresse na emergência. Pigarreei mais um par de vezes, a locomotiva a vapor voltou a fazer-se ouvir… e decidi-me. Sofá, filmes e mais uns cafés para acelerar os riachos. Claro que ao fim de cinco minutos eu já estava inquieto. Não faz sentido ver filmes ás 9 da manhã e, pormenor não despiciendo, gerei um sentimento de culpa pelo facto de pensar que o patrão me estava a pagar para eu ver filmes às nove da manhã – sem possibilidades, sequer de lhe pedir desculpa, pela simples razão de que não conseguiria falar.

O resto da manhã tem pouca história. Lembrei-me, entretanto, que para mandar uns mails não era preciso voz, bastava uns quantos dedos (Deus não dorme, é bem certo, e deve ter pensado em tudo quando nos fez com dedos...) e foi isso que fiz. Descobri também que o Face Book pode operar maravilhas nestas emergências e até isso eu usei para contactar o escritório. Há ainda o pormenor de ter tentado encomendar almoço pelo telefone, o que originou um dos mais patéticos diálogos de que tenho memória, de um lado uma menina brasileira, simpática e colaborante a tentar perceber aquilo que, do lado de cá, eu NÃO era capaz de falar. Fiz mais um grunhido que pretendia significar desculpa pelo incómodo e fui eu buscar um franguinho da guia, assadinho com batatinhas fritas na hora e que muita inveja deverá fazer aos meus confrades habituais de almoço que, aposto, hoje terça-feira, devem estar a oscilar entre o caril de galinha, filetes de peixe ou, “xacaver”, caril de frango. Ou talvez mesmo filetes de peixe. Com sorte, o caril. Sei lá… os filetes, pronto.

Agora vou continuar a sensação de ser pago para me esticar no sofá a ver as notícias e ver mais 120 filmes e entretanto vou rezar a uma santa que eu cá sei para que me dê uma chazinho de casca de romã e mais umas ervas de um jardim aparentado às fantasias do Harry Potter. E ficarei melhor com certeza.
.

Etiquetas:

10 Comments:

At 3:52 da tarde, Blogger t-shelf disse...

Cházinho de cebola ou de perpétuas roxas também dizem que ajuda, mas o que é mesmo essencial é descansar a voz ;)
Bjs e as melhoras

 
At 6:55 da tarde, Blogger Espumante disse...

T-shelf

Tiiiiii, mas que gozo, que coisa boa ver-te por aqui... que saudades que tenho das tuas legendas :))))
Beijinho e obrigado pela receita )

 
At 7:18 da tarde, Blogger papoila disse...

A esta hora já deves ter sido socorrido pela "santinha" salvadora,
espero que já estejas pronto para cantar uma opereta.... por experiência própria o chá de cascas de cebola dá mesmo resultado!

As melhoras!

 
At 10:48 da tarde, Blogger Dulce Braga disse...

Uma santa... e detentora de poções mágicas...tsss...tsss...tsss...Espumante de quantos graus foi a febre?:))

 
At 11:49 da manhã, Blogger Espumante disse...

papoila

A minha santa salvadora é assim uma espécie de anjo da guarda. Mas em bonito :))) quanto ao chá de cebola... cbola, para mim, é mais saladas
Beijinho pelo teu cuidado

 
At 11:51 da manhã, Blogger Espumante disse...

Dulce

Eu sou um bocado... como as lagartixas. Animal de sangue frio e que às vezes lhe cortam o rabo. Vale para dizer, não há febre que me chegue, que lagartixa não tem febre :)))

 
At 2:08 da tarde, Blogger Lurdes disse...

As melhoras! Um beijinho.

(eu tb não sabia que tínhamos aquilo na garganta...)

 
At 2:40 da tarde, Blogger Espumante disse...

Lurdes

Já estou (quase) fino . Pois... eu também não. Muito menos que tínhamos "aquilo" na garganta e que por causa daquilo é que a gente fala.
Sempre disse que, por vezes, se fala pelos motivos mais fúteis. E com a ajuda de ferramentas absolutamente improváveis :)))))

 
At 5:14 da tarde, Blogger ana disse...

ainda bem que já estás quase bem, porque romãs nesta altura do ano deve custar

 
At 6:04 da tarde, Blogger Espumante disse...

ana

Há sempre uma romãzeira perto de ti... como os cinemas...
:))

 

Enviar um comentário

<< Home