terça-feira, agosto 12, 2008

Children of a lesser father


[2629]

Poucos dias depois do incidente do BES em Lisboa, surge agora esta morte trágica de uma criança. Baleada pela GNR.

Prevejo muita opinião sobre o tema e as televisões começaram já a dar tempo de antena aos familiares, que se lançaram desde já num ataque feroz á acção da GNR. Era bom que se percebesse que a verdadeira tragédia da morte do infeliz miúdo radica não no facto de um GNR o ter baleado, no que acredito ter sido uma acção puramente intimidadora disparando sobre a carrinha que não obedeceu à ordem de paragem, mas sim no facto de dois homens adultos “levarem” uma criança de onze anos (pai e tio) a participar num assalto. Esta, sim, a verdadeira raiz do problema. Porque é evidente que não havendo assaltos não há polícias aos tiros. Tiros que aleatoriamente podem atingir um filho ou um sobrinho quando o levamos a um assalto assim como quem o leva ao jardim zoológico.

Espero que o juiz que os vier a condenar pelo assalto os condene também por terem aliciado uma criança ao crime. Ou o código penal não prevê nada neste particular?

.

Etiquetas: ,

6 Comments:

At 1:07 da tarde, Blogger António de Almeida disse...

-Embora já andem por aí uns quantos á procura de causas, nomeadamente pelo facto dos assaltantes serem ciganos. Talvez queiram acusar a GNR de racismo. Completamente de acordo com o post.

 
At 1:56 da tarde, Anonymous Anónimo disse...

Num registo irónico, dir-se-ia que "de pequenino é que se torce o pepino"!
Falando "normalmente", o post demonstra uma profunda clarividência sobre o assunto, que coincide em absoluto com o que penso: senão queriam que a criança corresse qualquer tipo de risco, então, não a levassem com eles!

 
At 1:57 da tarde, Anonymous Anónimo disse...

Perdão: não é "senão" mas "se não".

 
At 2:01 da tarde, Anonymous Anónimo disse...

Já agora, que também se aborda o assalto ao BES, talvez não seja mau ler este artigo: http://www.tvi.iol.pt/informacao/noticia.php?id=980696

 
At 9:29 da manhã, Blogger espumante disse...

antónio de almeida
Acho que a coisa se está (felizmente) a diluir. A última foi o pai da criança, que era fugido de Alcoentre, ter dado uma identificação falsa e o juiz o ter mandado embora na paz do Senhor...
:)

 
At 9:30 da manhã, Blogger espumante disse...

anónimo
Ja tinha lido a notícia indicada mas agradeço de qualquer forma

 

Enviar um comentário

<< Home