quinta-feira, outubro 09, 2008

"G" de gato


[2706]

Tomar o pequeno-almoço na sala ao mesmo tempo que se ouve as notícias pode proporcionar-nos uma cena como esta, a propósito de uma rubrica educativa do “Bom dia Portugal”, em que uma repórter salta para a rua e entrevista transeuntes sobre a grafia de determinadas palavras:

- Então e o senhor? Diga lá como se escreve gen-gi-va. Antes do “i” leva um “guê” ou um “jê”?

- Hummm… um “guê”. “Guê” de gato, não “pere” aí, “jê” de janela… não, “guê”. “Guê” de galinha.

- E a senhora? Gengiva é com “guê” de gato ou jê” antes do “i”?

- Com “guê”.

- Tem a certeza?

- Sim, tenho, Acho que tenho. “Guê” de gaiola.

- Não é “jê”? Tem a certeza?

- “Jê” de jota… não... “guê” de gato. Tenho a certeza.

E as entrevistas continuavam, atribuindo ao “g” mil e um exemplos em que a letra é expressa foneticamente como “guê”, para o que usaram uma chuva de exemplos, de gato a galinha, passando por gaiola. Felizmente a repórter nunca se lembrou de dizer “gê” de giz…

No meu tempo de escola os dicionários rezavam que “g (fonética jê)” era “… a sétima letra do alfabeto e que se pronunciava como “guê”, excepto quanto posicionada antes das vogais “e”, e “i...". E depois havia uma letra que se chamava unicamente “jota ( J )" e não “jê”. Nada de muito complicado. Era o tempo em que aprendíamos a tabuada e o abecedário correcto. Os tempos mudaram, as crianças devem ter-se sentido violentadas por um abecedário muito agressivo e complicado e os professores trataram de o simplificar. E a simplificação conduziu a diálogos “simples” e “claros” como o que referi.

Nota: Já agora. Ontem ouvi por duas vezes o nosso primeiro-ministro dizer que a taxa de juro tinha baixado 50 pontos percentuais, juro (de jurar...). Hoje de manhã, depois de me cansar dos “gatos” e das “janelas” das notícias da RTP, mudei para as notícias matinais da TVI. No imediato apanhei o apresentador a dizer que os juros tinham baixado 50 pontos (!!...). Foi a mola final que me impulsionou para a janela da sala (com “jê” de “jota”), inspirei cinquenta (este cinquenta não sei se é com “c” de cão, se é com “quê” de “quaquá”, mas acho que está bem escrito) vezes (tantas como os pontos de baixa dos juros) e fui à vida, banho, barba de gilete (com “guê” de giz) higiene (“gê” de Joana, claro) dentária e ala para o emprego (“g” de “gostava muito de não perder completamente o juízo - oooolha, um “jê de juízo, mesmo…) que se faz tarde.

.

Etiquetas:

20 Comments:

At 8:47 da manhã, Blogger Carlota disse...

Eu também aprendi que a letra g se dizia guê, mas que se lia antes do e e do i. E agora voltaram a ensinar isso aos miúdos, depois da confusão instalada pelos cérebros que, precisamente, se lembraram de chamar ao g.
Nunca pedi foi nenhum ésse-guê lights... :)

 
At 10:29 da manhã, Anonymous IL disse...

já é oficial. O "g" já se diz "guê". Há bué
:D

 
At 11:58 da manhã, Anonymous Anónimo disse...

e porque é que do milhão se passa para o mil milhões e não, como os ingleses e americanos para o bilião?

 
At 12:48 da tarde, Blogger Sinapse disse...

looool lool lool (que é para manter isto simples, sem jês nem guês)

 
At 6:02 da tarde, Blogger joshua disse...

Gengiva escreve-se com o jota o ou guê que estiver mais à mão.

PALAVROSSAVRVS REX

 
At 8:48 da tarde, Blogger JoãoG disse...

Jaita!, o jago não sabe o que é um ponto base...? :)

(para o anónimo das 11:58 AM: porque dessa forma facilmente se passa para os quinquilhões...)

 
At 6:38 da manhã, Blogger espumante disse...

carlota

Eu também nunca fui vacinado com a bê-cê-guê. Sobretudo, nunca me impressionou muito a guê-force a que os pilotos de F1 são submetidos
:))

 
At 6:38 da manhã, Blogger espumante disse...

IL

Tu co dizes...
:))

 
At 6:39 da manhã, Blogger espumante disse...

anónimo

A resposta está lá em baixo, dada pelo joãog
:)

 
At 6:41 da manhã, Blogger espumante disse...

sinapse

Ainda ando em crise (e mode) de inveja tua. Mas isto há-de passar...
:))

 
At 6:41 da manhã, Blogger espumante disse...

joshua
Obrigado pela dica que me levou ao seu (um dos) blogues que confesso que não conhecia.

 
At 6:43 da manhã, Blogger espumante disse...

joãog

Anfo a fazer um esforço para não perguntar pelo "fio passageiro" porque é none of my business. Mas um dia destes pergunto...
:)))
Um abraço

 
At 8:55 da manhã, Blogger ana v. disse...

Belo post, caro Espumante.
Mas deixe que lhe pergunte: porque é que insiste na TVI? Aquilo não tem "geito" mesmo... :)

 
At 10:14 da manhã, Anonymous Espumante disse...

ana v.

Eu explico querida amiga:
As três estações generalistas competem com serviços noticiosos logo de manhã. Dos três, a RTP irrita-me porque começa manhã cedinho a ensinar-nos a sermos bonzinhos, correctos e sãos (de corpo e espírito), a SIC aproveita muito material da SIC Notícias da véspera (que eu, normalmente, já vi) e resta a TVI que tem, surpreendentemente, o melhor serviço das três (notícias, desporto, trãnsito, meteorologia e um apresentador com uma dicção simpática. Voilá!

Já agora só para ter uma ideia, o weather man da RTP dá-nos conta do tempo que vai fazer na "cidade de Alemida Garret", na "cidade de Viriato", na "cidade de Alexandre O'Neil", na "cidade de António Aleixo", na "cidade dlos Museus", na "cidade da Luisa Tody", etc. Eu seja ceguinho! Tanta cultura logo pela manhã atravessa-se-me no esófago, onde apenas permito espaço para a torrada e um bom queijo e o insubstituível café. Pelo menos àquela hora. E, com muita mágoa o digo, já sem espaço para o fumo do cigarro por razões em que a razão se teve de sobrepôr à emoção. Mesmo não fazendo o meu estilo!
Beijinho
:)

 
At 11:17 da manhã, Blogger espumante disse...

experiência de URL

 
At 9:15 da manhã, Blogger Laura Lara disse...

Já chego tarde, Espumante... só quero dizer que cinquenta está certo - é com "quê" de nove e não com "quê" de casa (assim falavam os professores dos meus filhos...).
Beijos e um bom fim-de-semana (sem tracinhos de união a partir de Janeiro, isto é janeiro, a partir de Janeiro)

 
At 11:12 da manhã, Blogger espumante disse...

laura lara

Long time no see ou, como diria o Laurodérmio, passei tempo demais no mar :))

Eu sabia que era com "q", não sabia era dessa do "q de nove". Mas estamos sempre a aprender
:)))
beijinho para ti e um belíssimo fim-de-semana é o mínimo que te posso desejar!

 
At 2:48 da tarde, Blogger cristina disse...

« a-bê-cê-dê-e-fê-guê-agá-i-jê-lê-mê-nê-o-pê-quê-rê-sê-tê-u-vê-xis-zê

Isto ouvi eu, em tempos, uma criança cantarolar vezes sem conta no autocarro - tinha acabado de aprender o alfabeto. Achei divertidíssima a fonética dada às letras. Apeteceu-me perguntar à criancinha quem era a professora e ir falar um boacado com a senhora...

Quanto à letra "G", em particular, eu sempre disse "guê" e só há uns anos "descobri" que devia dizer-se "gê". Achei muito mal - como acho sempre, quando contrariam aquilo que me habituei a ter como correcto. Pediram-me que me lembrasse da "gê-éne-érre" - certo! aí leio "gê", mas na minha inocência esses "conta-exemplos" é que estariam mal pronunciados...

Resta-me dizer que toda aquela discussão terminou no "fê-cê-pê"... E, apesar de raramente o pronunciar como tal, a partir daquele momento, apeteceu-me fazê-lo cada vez mais - uma espécie de revolta contra as regras que não me ensinaram =)

 
At 10:14 da manhã, Blogger espumante disse...

cristina

O FêQuêPê e a GêNêRê são dois exemplos felizes. E sabes? És uma das raríssimas pessoas que conheço que admitem que se deve dizer gê e não guê.
Só por isso prometo portar-me bem e não dizer carago durante duas semanas :))))
Boa estadia pela Mouraria, é o que desejo

 
At 9:56 da tarde, Blogger ana v. disse...

LOL... só falta ele dizer o tempo que faz no país do Noddy!

 

Enviar um comentário

<< Home