segunda-feira, outubro 25, 2010

A esperteza e os espertos


[3947]

Detesto a esperteza dos espertos. Gosto mais da esperteza genuína, daqueles que, não sendo espertos, se esforçam genuinamente por sê-lo sem o auto-convencimento dos espertos inatos que acham viverem num caldo de cultura de pacóvios («chiça», já é a segunda vez que emprego hoje este vocábulo). Porque aqueles conseguem a vitória da vida deles sempre que resolvem um problema. Já estes vivem da esperteza e de um ego inflado pelos resultados que os tais pacóvios, os genuínos, lhes conferem. O que, admitamo-lo, não é muito nobre nem recomendável para um esperto que se preze, nem lhe deveria inflar o ego por aí além.

A explicação de Marcelo ontem na TVI sobre as razões que o levaram a anunciar o local, o dia e a hora em que Cavaco Silva iria anunciar a sua recandidatura são, no mínimo, pueris e casam bem com a alegria incontida no brilho daqueles olhitos espertos, pela polémica que o anúncio dele causou. Isto, no discurso cúmplice e aquiescente do entrevistador de serviço Júlio Magalhães.

Faz tempo que Marcelo não diz sim, não diz não e mesmo o talvez anda arredado do seu léxico de comentador. O que Marcelo vai dizendo assemelha-se mais a quatro linhas de pesca ao corrico embaraçadas por um wahoo que picou uma das rapalas do que a um comentário honesto sobre um facto ou uma personagem. Mas isso faz parte do patamar a que ele julga que se guindou. E é pena. Uma mente brilhante como a dele poderia ser naturalmente escorreita e intelectualmente honesta para conseguir contornar as tentações e as contas do mafarrico e que lhe tentam e violam a crescente vaidade. É pena.

Estou como a Joana. Cada vez gosto menos dos espertos.

.

Etiquetas: ,

2 Comments:

At 7:43 da tarde, Blogger papoila disse...

Olhando para a fotografia, quase nem era preciso teres dito nada! :))))

 
At 5:21 da manhã, Blogger Espumante disse...

papoila

Para quem tenha visto o sketch, realmente... acho que tens razão :)

 

Enviar um comentário

<< Home