quinta-feira, novembro 16, 2006

Mare nostrum



Barracuda, nome geral dado aos peixes perciformes da família dos Sphyraenidae, género Sphyraena. Na imagem, Great barracuda. Recorde moçambicano 48 kg. Em Maputo pode ser encontrada apenas fora da baía, no Baixo Danae, Baixo de Santa-Maria e num maciço pedregoso a 12 milhas da ponta norte da Inhaca, rumo 90º (E). No interior da baía apenas se apanha a barracuda comum, recorde moçambicano, 18 kg.


[1370]

Do mar, conheci-lhe as entranhas. A luz dos corais e a escuridão dos fundos, a policromia do peixe-papagaio e da corvina real e o cinzento ameaçador do tubarão. Os cardumes de milhões de sardinhas ou cavalas a servirem de pasto a atuns, kawa-kawas, bonitos e albacoras e os batalhões de barracudas a fazer ordem-unida em bancos de pedra. Conheci também a lagosta, o xaréu, o peixe-galo, a corvina e a queen-fish. O dourado, a garoupa gigante e o choco. Conheci ainda a magia dos raios de sol penetrando nas águas, vistos de baixo para cima e até uma tartaruga me deu boleia na carapaça.

Do mar, conheci a superfície imensa, o horizonte de 360º, as ondas de “sulada” sopradas por ventos de quarenta nós e a acalmia azul das águas cansadas do movimento da véspera. Conheci o sol a irromper do mar pelo céu acima em madrugadas frias e dele me despedi muitas vezes, mergulhando no horizonte, quando regressava a casa depois de uma pescaria ou com o barco cheio de filhos cansados do ski, do “chouriço”, da moto de água, do mergulho. Conheci a chuva copiosa que acalmava estranhamente a superfície e me batia na cara enquanto eu mantinha o rumo certo da bússola. Conheci e pratiquei a pesca de alto gabarito, ferrando marlins, veleiros, whahoos, dourados e barracudas que saltavam acrobacias inimagináveis, os atuns preguiçosos e os tubarões enormes, possantes e lentos.

Conheci, enfim, o mistério permanente do mar, mesmo quando pensamos conhecê-lo bem. Conheci a surpresa, os perigos e a novidade. Soube o que significava sair durante anos para o mar e nunca ter feito duas viagens iguais. Saboreei noites de vigília em ilhas desertas, onde o marulhar das ondas se misturava com o “chap chap” do barco. E muitas vezes apagava as luzes e ficava a olhar para o céu que tinha tantas estrelas e tão brilhantes que mesmo nos dias sem lua nunca era verdadeiramente escuro. Era sempe possível ver a muitas centenas de metros de distância.

O mar deu-me o gosto do corpo salgado ao sol, deu-me a cor da saúde e a alegria de estar vivo. O mar deu-me prazer, inspirou-me e enxotou-me a abulia episódica dos dias mais cinzentos, gerou paixões muito boas e ensinou-me, ainda, que o meu planeta é mesmo azul e é, de certeza, o melhor planeta do Universo. Sem ele, o mar, eu não teria vivido nem metade das coisas boas que vivi nem saberia um décimo das coisas que sei.

Amei tanto o mar que acho que foi ele que me ensinou a amar melhor.

Ouvi na rádio que hoje é dia do mar...


No more sailin' …
So long sailin' …
Bye, bye sailin'...
Move on out, captain …
So long, ensign …


Bobby Darin, Beyond the sea

11 Comments:

At 11:51 da tarde, Blogger alexiaa disse...

Ou seja...temos um "profissional" na difícil arte de amar:).
Um beijo, espero que a ausência do esclarecimento à minha dúvida seja obra do tempo ou da falta dele:))

 
At 9:21 da manhã, Blogger Sinapse disse...

Que texto tão bonito, inspirado e inspirador! ... gosto tanto tanto do mar mas nunca o vivi ou amei assim ...

Beijinhos, salgados,
Sinapse

 
At 9:49 da manhã, Anonymous Anónimo disse...

Quem é a do meio?
:D

 
At 9:50 da manhã, Anonymous Anónimo disse...

Aqui em cima sou a IL

 
At 3:29 da tarde, Anonymous maria leonor disse...

Não percebo nada de barracudas mas esses nomes são-me familiares de os ouvir ao meu marido :)))

 
At 10:40 da tarde, Blogger MCM disse...

Que texto bonito. Também adoro o mar! E faço mergulho sempre que posso, imperdível!

 
At 12:18 da tarde, Blogger espumante disse...

alexiaa
Amar não é difícil, basta não complicar :) Quanto ao "profissional", seja, mas a recibo verde. Longe de ser efectivo :)
Não sei bem a que te referes quanto à ausência do esclarecimento nem sobre a dúvida...vou tentar deslindar o assunto.
Beijo e bom domingo

 
At 12:19 da tarde, Blogger espumante disse...

Sinapse
Gosto muito do mar. O mar exerce um fascínio especial em mim. Talvez porque o vivi plenamente.
Beijinhos com maresia :)

 
At 12:20 da tarde, Blogger espumante disse...

IL
A do meio é uma "penetra" no barco :))

 
At 12:21 da tarde, Blogger espumante disse...

Maria leonor
Barracuda... olha. Conheces o tamboril? A barracuda é maior, mais magra e completamente diferente :)))
beijinho

 
At 12:22 da tarde, Blogger espumante disse...

mcm

Não é possível não gostar de mergulho, pois não?
:)

 

Enviar um comentário

<< Home