terça-feira, dezembro 28, 2004

Por de trás de um homem...



Luisa Godinho, no último “Notícias Magazine”, abalança-se a considerandos sobre o tal tema “por de trás de um grande homem há sempre uma grande mulher”.

Não podia discordar mais. A ideia é sexista, sectarista, egoísta (ela é mulher...), maternalista, papista (o Papa é homem, mas serve para a ilustração), egocentrista e está para o conceito como o canário está para a alpista. Além de distorcida. No meu caso particular sempre me deu mais jeito ter uma mulher “por de frente” do que “por de trás”, mas sou um homem cordato, há gostos para tudo e quem sou eu para os discutir.

Eu, se fosse mulher, fugiria sempre desta asserção. Quando John Kennedy afirmou (em Paris, salvo erro) que quem ali estava não era o presidente dos USA mas sim o marido da primeira dama, foi machista, sobranceiro, populista e, ainda por cima, fez figura de galanteador.

Além de que se aprofundarmos a coisa, tanto há uma grande mulher por de trás de um grande homem, como há sempre um grande homem por de trás de uma grande mulher, sendo que, neste caso, as coisas me pareçam mais lineares ( e apelativas, digo eu...).

Tenho para mim que a mulher é demasiadamente importante para o homem para que seja remetida a uma posição de retaguarda para justificar a proeminência do androceu. Acho que nestas coisas de sucesso, a cumplicidade e o apoio existem independentemente da posição estratégica de cada um dos cúmplices e é líquido que há homens de sucesso sem mulheres por de trás e mulheres de sucesso sem homem pela frente. Pelo menos em condições sociais que justifiquem a ideia.

Do artigo de Luisa Godinho fica a reflexão de que três homens portugueses sem mulher por de trás vão em breve disputar eleições. Santana, Portas e Sócrates. Mas também, quem disse que eles eram grandes?

Homens e mulheres da paróquia. Deixemos de estar por de trás uns dos outros e remetamo-nos ao posicionamento que nos der mais jeito e de que mais gostemos. E os grandes homens e as grandes mulheres vão, aqui e ali, aparecendo, para nosso contentamento!

E um beijinho à Luisa Godinho, que o texto estava saboroso. Estou aqui atrás a aplaudir...

10 Comments:

At 11:37 da manhã, Blogger Nada de novo na frente ocidental disse...

Meu caro espumante...vocês- que vê aproximar-se a altura de lhe saltar a rolha...é no reveillon, não é?- não sei se vê bem, daí detrás onde se encontra...

Mas se "Do artigo de Luisa Godinho fica a reflexão de que três homens portugueses sem mulher por de trás vão em breve disputar eleições. Santana, Portas e Sócrates. Mas também, quem disse que eles eram grandes?"

Então, possivelmente, com uma grande mulhere esses seriam MAIORES...ou não.

 
At 2:07 da tarde, Blogger Jessica e André disse...

Estar-se-á na altura de reformular / modernizar esse chavão para qualquer como... "Ao lado de um grande homem há sempre uma mulher que não usa soutien"?

 
At 8:26 da tarde, Blogger Passada disse...

uff...queste assunto tem barbas e é tão actual como a maça que está por cair. Se todos os homens e mulheres assim respeitassem cada cabeça que existe no mundo, vá vamos incluir animais, não estaríamos nós aqui a falar nele. Nem me atrevo a continuar. Lá chegaremos um dia.

 
At 11:53 da tarde, Blogger Nelson Reprezas disse...

ABF
Nem sempre as rolhas se aguentam até ao fim do ano. Já faltou mais... :))))

 
At 11:56 da tarde, Blogger Nelson Reprezas disse...

Passada
e
Musca
Shiuuuuuu, as meninas portem-se bem e comam a sopa toda que isto é conversa de gente crescida :))

 
At 9:58 da manhã, Blogger Madalena disse...

E se se tratasse simplesmemte de pessoas?!
Não sei bem se sou feminista, mas uma coisa é certa: gosto muito de ser mulher e o papel que mais gostei de desempenhar na vida foi o de mãe. Tem sido. Ainda não acabou, presumo! Com todas as dificuldades, que as tive. Não falo de dificuldades económicas, claro.
Também é evidente que cometi muitos erros. Dar colo incondicional é uma atracção fatal e nem sempre é o mais certo. Entre outros!
Mas também é verdade que à frente, atrás ao lado ou seja lá onde acharem bem metaforizar o asunto, contei sempre com um homem: o pai.

 
At 12:30 da tarde, Blogger Madalena disse...

E contei dois erros ortográficos... é o que dá escrever muito e depressa. Sorry!

 
At 1:02 da tarde, Blogger Nelson Reprezas disse...

Madalena
Mas é de pessoas que se trata. E de cumplicidades. E de lealdade... mas sempre longe desta expressão estereotipada a que aludi, de que alguns homens gostam tanto e de que algumas mulheres parecem não se importar...

 
At 8:11 da tarde, Blogger Madalena disse...

Nem esperava outra resposta )))
Se a gente não se vir, Bom Ano!

 
At 9:10 da tarde, Blogger Passada disse...

Agora sou a Mafalda: "Não quero sopa, não gosto de sopa, não vou comer a sopa e muito menos TODA", "Não quero, não quero". Minutos depois...."chlep, chlep, chlep" Aghghgh! :)

 

Publicar um comentário

<< Home