quinta-feira, dezembro 16, 2004

O Nosso Fado



Não há uma razão especial para usar este quadro como mote para um post pobrezinho como o de hoje. Apenas porque é vivíssimo e pintado com génio por um pintor genial. Das Caldas...

Tenho a certeza que se ainda fosse vivo, em vez do quadro ele deixaria uma bem mais significativa lembrança regional, como apropriado legado ao nosso momento actual.

4 Comments:

At 11:15 da tarde, Blogger Madalena disse...

Morei quase vinte anos numa Rua José Malhoa.
Agora moro numa rua que dá pelo nome de um poeta.
A sorte que eu tenho tido de não me calhar um político.
Ou uma politiquice, que há muitas por cá.
A minha escola fica na Rua dos Mártires do Tarrafal...
E ainda há a Rua dos Mortos pela Pide.
E ainda... (como no Concurso): A Rua da Química, da Física e da Biologia.
Do Inglês não há. Tá mal...´
Estás a ver o que dá pôr uma coisa que não tem nada a ver com nada?!
Boa noite e boa inspiração.
A Passada ainda não voltou. passei por lá agorinha mesmo e tinha a luz apagada!

 
At 11:31 da tarde, Blogger Nelson Reprezas disse...

Rua do Inglês não morei, mas já morei numa Redfern st,em New Germany, na Golden Mile em Durban, numa Litlle Roseneath em Johannesburg (suburbs)... já nem me lembro. Morei numa Kim Il Sung ( e esta?) onde todos os anos os camaradas iam polir a placa de mármore no aniversário do Grande Leader... Agora moro numa rua com um nome horrível, Maçarico, imagina tu, que fiquei a saber que é o nome de um pássaro :)))
A inspiração anda por baixo, mas isto passa :))
A Passada foi passar 4 dias a Johannesburg. Com o mano. Lucky her :))

 
At 2:00 da manhã, Blogger Nelson Reprezas disse...

Madalena, já agora só uma nota.
Também conheço o Tarrafal, mas aquilo não tem ruas nenhumas. É uma sensação quase obscena descer a montanha no conforto do ar condicionado de um bom carro e percorrer mais uns quantos kilómetros de deserto e espinheiras e pedras até à chegar à antiga prisão. Hoje museu, relativamente bem conservado, mas ainda com uma atmosfera estranhamente opressiva e a dar a ideia de que quem lá estivesse preso não lhe apeteceria muito fugir, tal a agressividade e aridez do cenário envolvente. Mas a coisa atenua-se depois, na vila propriamente dita. Tem um restaurante na praia, tipo "pezinhos na água" onde se come a velha lagosta e a inevitável cachupa, servidas por gente simpática :)

 
At 9:59 da tarde, Blogger Madalena disse...

Onde é que se pode deixar o parabéns a você?
Seja lá onde for e para quem for: só se vive uma vez e o dia do aniversário é uma certificação para o próprio e par os outros...
Happy birthday! In English if you prefer!

 

Publicar um comentário

<< Home